Com Francisco, radicalizar a consciência sobre as penas

Somos todos Madalena, mas amamos pedra.

Baco Exu do Blues

Século 19. Cidade de Pilar, Alagoas. Francisco, um homem escravizado, é condenado, segundo a lei da época, à morte pelo assassinato do capitão da Guarda Nacional e sua esposa. Mesmo implorando clemência ao Imperador, Francisco é enforcado em 28 de abril de 1876. Oficialmente, esta é a última pena de morte executada no Brasil, tal prática seria abolida pelas legislações republicanas.

02 de agosto de 2018. Quinta-feira. Os órgãos oficiais de imprensa do Vaticano fazem circular pelo mundo a notícia que outro Francisco aprovou uma nova interpretação, à luz do Evangelho, sobre “a pena de morte” (nº 2267) no Catecismo da Igreja Católica (CIC). Onde se afirmava que “a doutrina tradicional da Igreja (…) não exclui o recurso à pena de morte,” a Igreja ensina que “a pena de morte é inadmissível, porque atenta contra a inviolabilidade e dignidade da pessoa, e se compromete, com determinação, em prol da sua abolição no mundo inteiro”.

Continuar lendo “Com Francisco, radicalizar a consciência sobre as penas”

Com-por-se

Uma vez eles eram cachorro e gato. Chien e Chat, naquela manhã, não sabendo que estavam presos, saíram. Chien era resumidamente feliz, recebia seu prato de ração, trabalhava das 8h às 17h, e sorria nos intervalos. Chat tinha pedaços de alegria, se dedicava a ronronar e a distanciar. No caminho de Chat havia a escadaria do Bonfim, no de Chien a Praça dos Três Poderes. … Continuar lendo Com-por-se

Fomos felizes

Tudo ia bem entre nós. Nos conhecemos meio de improviso, sem segundas intenções, era apenas uma relação burocrática. Íamos e voltávamos juntos todo dia, de repente, nós passamos a estar juntos mesmo nos fim de semana. Tudo foi acontecendo muito rápido, quando vi já estávamos envolvidos profundamente. Não sabia muito bem o que ela sentia, se lhe era unilateral aquela relação, se eu lhe exigia … Continuar lendo Fomos felizes

Viagens de uma mente peregrina IV

Por que andas triste, caminheiro? O quê foi que aconteceu pelas bandas de lá? Não foi a tua eloquência e teus debates Que te fizeram triste? Ora, caminheiro Não percebes que teu Mestre caminha contigo? Deixa, então, que Ele venha  Ele fará da tua tristeza, alegria Te teus passos curtos, corrida Deixa! Ele te saciará. E tu, caminheiro  Vais correr… Correr até as bandas de … Continuar lendo Viagens de uma mente peregrina IV

Viagem de uma mente peregrina III

Essa noite tive um sonho. Uma moça bonita me perguntava se eu conhecia a nova música do padre Fábio de Melo. E eu respondia não. “E do padre Marcelo?” “Também não.” Por fim ela me perguntou sobre o padre Paulo Ricardo. “nao tô sabendo de nada.” Ainda quis insistir no assunto então perguntei: “você conhece o padre Julio Lancellotti? Estava lendo uma homi…” Ela me … Continuar lendo Viagem de uma mente peregrina III

Somos humanos

Daniel na cova dos Leões

Aquela noite parecia qualquer como as outras, caminhávamos pela rua, voltando para casa, uma colega e eu. Vínhamos conversando sobre problemas e trivialidades desta vida. Se bem me lembro, a  certa altura, ela me contava algo que me fez (pensar) rezar: “hoje entrei nessa igreja e ela estava tão vazia quanto eu”. Mas, pelo caminho, algo aconteceu que mudou minha oração.

Continuar lendo “Somos humanos”